Depoimentos

 

Sou Ana, tenho 38 anos e desde a minha adolescência sofro com TPM severo, cólicas menstruais fortes e uma indisposição geral durante aqueles dias do mês. Em 2015 fui diagnosticada com Transtorno Disforico Pré-menstrual, além do mioma que foi descoberto um ano antes.

Meu ginecologista disse que a melhor opção para mim seria eliminar a minha menstruação com ajuda das pílulas hormonais. Não posso dizer que amo a minha menstruação, mas o fato de simplesmente cortar o meu ciclo    artificialmente, me deixava com medo. Procurando desesperadamente por alguma solução alternativa, encontrei na internet a página da Dr. Aniele Hayashi e decidi tentar com ela a acupuntura. As melhorias apareceram logo depois da primeira sessão. Com mês de tratamento a minha menstruação mudou significamente. O inchaço espantoso do meu abdômen, que acontecia uma semana antes de menstruar e só diminuía depois de eu parar de sangrar, praticamente sumiu. No lugar de tomar 15 comprimidos anti-inflamatórios (3 por dia) para controlar as cólicas horríveis, só tomei um ou dois durante toda a semana de menstruação. A minha circulação sanguínea melhorou e o frio que costumava sentir mesmo quando todos ao meu redor estavam com calor, diminuiu bastante. O que mais me incomodava durante a minha menstruação, era um cansaço inimaginável. Estava me sentindo completamente sem energia, esgotada, com concentração baixa e uma dificuldade enorme para enfrentar as tarefas da minha vida cotidiana. A acupuntura fez uma diferença impressionante! O meu fluxo de sangue diminuiu, o cansaço sumiu, as cólicas nem sinto mais e a sensação geral durante “aqueles dias” já não é mais de um inferno e sim, de um processo natural. Graças a Dr. Aniele, seu amplo conhecimento da medicina tradicional, um excelente atendimento e o acompanhamento personalizado da sua parte, vivo hoje meu ciclo com mais tranquilidade e me sinto bem mais feliz por ser mulher.

 

 

Meu nome é Patricia e aos 37 anos resolvi ser mãe, mas não imaginava das dificuldades que estavam por vir. Aos 37 anos interrompi o uso da pílula anticoncepcional e após 6 meses sem sucesso, procurei minha ginecologista que me indicou como opção a FIV devido a minha idade e a baixa reserva de folículos.

Procurei o Dr. Marcelo Cequinel, que me solicitou uma bateria de exames, nos quais foram diagnosticados endometriose e obstrução das trompas, inviabilizando uma gravidez por meios naturais. Iniciei então o tratamento de FIV. Fiquei assustada com a quantidade de hormônios a serem tomados, mas com pensamento positivo de que teria sucesso já na primeira tentativa.

É um mix de emoções e sentimentos. Que vai da alegria a tristeza, de angústia, ansiedade, medo que o tratamento não dê certo. Que se não engravidar o marido te abandone, cobrança da família e de amigos. Somado a isso, ainda tinha o stress do trabalho. Afinal eu era gerente de uma empresa e com o tratamento precisava me ausentar bastante. E confesso que isso me incomodava muito, pois na minha posição eu é que tinha que dar o exemplo aos demais funcionários. Ao final da primeira tentativa, implantados 2 embriões e não tive sucesso. Único sentimento: TRISTEZA.
Mas vamos lá, FORÇA!

Segunda tentativa, implantados 3 embriões, também sem sucesso. Sentimento: DECEPÇÃO. Na minha cabeça começava a pensar o que tinha de errado comigo?
A partir da terceira tentativa, iniciou-se o estudo citogenético dos embriões, para viabilizar a implantação de um embrião sem alterações cromossômicas e com alto potencial de desenvolvimento celular.

Da terceira a quinta tentativa foram sem sucesso.
Aí bate aquele desespero, porque a cada tentativa o número de óvulos estava diminuindo e os estudos genéticos mostravam que a maioria tinha mal formação ou síndromes. E aí, continua? Paramos por aqui? A cabeça fica a mil,afinal não é um tratamento barato.
Será que desistimos? Vamos adotar? Pegar óvulos de doadoras ou das minhas irmãs? Confesso que foi uma decisão extremamente difícil e somada a isso ainda tinha o stress do trabalho. Novamente começo a me questionar o que tem de errado comigo? Daí vc para o carro no semáforo e tem uma mulher pedindo dinheiro, com 2 filhos no chão,um no colo e outra na barriga. E porque eu que tenho condições não consigo?Porque Deus está fazendo isso comigo?  Outra vez é uma mistura de sentimentos terríveis. A cobrança que eu fazia comigo mesma era absurda.

Iniciamos a sexta tentativa. Nesta, meu marido já começa a me questionar se eu não deveria dar um tempo na minha carreira profissional e me dedicar exclusivamente ao tratamento. E o medo de largar tudo e o tratamento não der certo? Juro que estava quase enlouquecendo. E além de tudo, as injeções com o passar das tentativas começaram a ficarem mais doloridas. O meu corpo estava extremamente sensível. Quase próxima à data da punção dos óvulos, estava eu na sala de espera para fazer a ecografia e vejo folhetos sobre a acupuntura no tratamento de FIV. Sempre tive muita enxaqueca e uma das minhas salvações foi à acupuntura.

Vamos tentar? É obvio que sim! Fizemos 2 sessões de acupuntura antes da sexta tentativa, que infelizmente não teve sucesso. Não tinha óvulos para coletar. Mais uma decepção. Mas meu marido sempre comigo me dando o maior apoio e força neste momento tão delicado. Tomei coragem e decidi me afastar da empresa e confesso que foi uma das decisões mais difíceis que já fiz na vida. Iniciamos o tratamento para a sétima tentativa. Esta agora sempre  acompanhada das sessões de acupuntura. Confesso que ficava mais tranquila, focada e com uma certeza de resultado positivo. Fizemos uma sessão de acupuntura, seguida da punção e foram coletados poucos óvulos.Destes, apenas um após a fecundação e análise genética estava normal para ser implantado.

Novamente aquele mix de sentimentos.Implantamos o embrião e agora só nos restava esperar 14 dias e fazer o exame de Beta HCG. Mas sempre seguindo com as sessões de acupuntura. Neste intervalo tive um pequeno sangramento. Bate aquele desespero.Pronto, perdi meu bebê? Como saber? O médico solicita um pouco mais de repouso e sem esforço físico.Confesso que estava triste. Ainda mais com todo o meu histórico, não estava com muita esperança.Mas vamos lá…força e fé. Chega o dia do resultado. Tive que olhar várias vezes, pois não estava acreditando. Sim, eu estava grávida! O resultado do beta estava bem mais alto que das outras vezes. Lágrimas, sorriso, novamente uma mistura boa de sentimentos que não tem explicação.

Como consegui? Não tenho dúvida que foi a soma de vários fatores, esforço, dedicação, apoio incondicional do marido, da equipe médica e das sessões de acupuntura.
Muitos me questionavam o porquê da acupuntura? E posso dizer sim, com certeza absoluta que teve uma grande participação no resultado positivo.

Hoje, quando olho a carinha da minha filha, tenho certeza das escolhas que fiz e não me arrependo em nenhum momento das decisões tomadas.É uma realização pessoal indescritível. E só tenho que agradecer a tudo e a todos que me acompanharam e torceram para que meu sonho de mãe fosse realizado!

 

Conheci a Dra. Aniele em agosto de 2018 após um resultado negativo da primeira Fiv que fiz. Estava muito fragilizada e com medo de partir para a segunda tentativa. Fiz acupuntura durante 4 meses para me preparar para a segunda tentativa com a finalidade de equilibrar meu organismo e melhorar a qualidade dos óvulos. Durante a segunda tentativa a acupuntura foi fundamental. Fiz sessões horas antes e depois da transferência dos embriões. Hoje estou com minha bebê nos braços e tenho certeza que a acupuntura e o trabalho da Dra. Aniele fizeram a diferença para o sucesso da segunda tentativa!

 

 

 

 

Tinha um grande sonho de ser mãe. Como meu marido tinha vasectomia há muitos anos, nos foi indicado fazer FIV. Visitamos algumas clínicas e após indicação de um colega, nós decidimos pela Embryo.

Enquanto aguardava a primeira consulta, vi um encarte de acupuntura para a fertilidade. Logo me chamou a atenção, pois o processo de fertilidade envolve muitas expectativas, sonhos, desembolso financeiro, e pode dar errado, como pode dar tudo certo. A acupuntura é conhecida por nos equilibrar, e achei que ela seria fundamental nesse momento.

A Aniele me recebeu com muito carinho, me auxiliou além da acupuntura, me indicou quais alimentos evitar e quais privilegiar, além de contar sua própria história de carinho com sua família. A acupuntura me ajudou com tranquilidade durante a FIV, inclusive no dia da implantação dos embriões, e depois na gravidez.

Fui presenteada com duas crianças lindas e saudáveis, que trazem muita alegria à minha família.

Eu agradeço a todo o corpo clínico e principalmente à acupuntura por tornar tudo mais leve!